Newsletter

Nome:
E-mail:

Notícias

02/07/2012 - Pílula que concentra quatro drogas diferentes anti-HIV se mostra eficaz e segura em testes clínicos

Comprimido pode melhorar adesão dos pacientes ao tratamento da aids, reduzindo as chances de o vírus se tornar resistente aos antirretrovirais.

Testes clínicos envolvendo um comprimido que combina quatro drogas para o tratamento da aids mostraram que essa é uma alternativa segura e eficaz para pacientes recém diagnosticados com a doença. Segundo a pesquisa, publicada na edição desta semana da revista The Lancet, a pílula 'quatro em um', chamada Quad, tem uma atuação mais rápida, não apresenta efeitos colaterais neuropsiquiátricos e pode melhorar a adesão das pessoas ao tratamento.

O pilar do tratamento destinado a um paciente infectado pelo vírus HIV é a combinação de ao menos três antirretrovirais. Essas drogas, embora reduzam drasticamente a presença do vírus no sangue, não conseguem agir nos vírus que estão inativos no organismo, e, portanto, não são capazes de curar a doença.

Os autores do estudo, que são do Hospital Brigham and Women, ligado à Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, explicam que a adesão do paciente à terapia contra a aids é vital, e que deixar de tomar algum medicamento pode fazer com que o vírus HIV passe a ser resistente às drogas. “Trabalhos têm demonstrado que tratamentos com uma única pílula melhoram a adesão e a satisfação do paciente, além de ajudar a evitar erros de prescrição e reduzir a probabilidade de falha do tratamento e a resistência à droga”, diz o coordenador da pesquisa, Paul Sax.

Eficácia e segurança — Nos testes, os cientistas compararam, em 700 pacientes infectados pelo vírus HIV, o efeito do tratamento com a pílula Quad ao do melhor tratamento contra aids que está disponível atualmente. Após 48 semanas, os pesquisadores concluíram que o comprimido é tão eficaz e seguro quanto as opções disponíveis, com a vantagem de concentrar em apenas uma cápsula quatro drogas. No entanto, os pacientes que fizeram uso da cápsula apresentaram um maior índice de problemas renais.

“Se a pílula for aprovada pelas agências reguladoras dos países, essa seria a primeira vez em todos os medicamentos utilizados no tratamento da aids se concentrariam em apenas um comprimido, o que é um grande avanço. Seria mais uma opção de tratamento para pacientes com essa doença”, diz Brian Kearney, que também participou da pesquisa.

Fonte: Veja.com

Laboratório Grams Perini - Todos os direitos reservados

Fone: (51) 3653-3555