Newsletter

Nome:
E-mail:

Notícias

02/04/2013 - EUA lançam ambicioso programa de pesquisa para mapear cérebro humano

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou nesta terça-feira um ambicioso programa multidisciplinar que, com um investimento inicial de US$ 100 milhões, pretende traçar um mapeamento do cérebro humano para auxiliar a cura de doenças como Alzheimer e epilepsia.

"A nossa é uma nação de sonhadores, de gente que se arrisca", afirmou Obama no Salão Oval da Casa Branca diante dos cientistas e empresários envolvidos na iniciativa. "Agora é o momento de alcançar um nível de pesquisa e de desenvolvimento que não observávamos desde os tempos mais intensos da corrida espacial", completou o presidente.

"Os computadores, a internet e outros avanços nasceram com financiamento do Governo, e o próximo grande projeto dos Estados Unidos será a iniciativa do cérebro", ressaltou Obama.

Oficialmente conhecida como Breakthrough Research And Innovation in Neurotechnology (BRAIN, na sigla em inglês), a iniciativa tem uma atribuição de mais de US$ 100 milhões no projeto de orçamento para o período fiscal 2014, que, por sinal, o governo de Obama divulgará ainda neste mês.

No começo do programa, se Obama obtiver o apoio do Congresso, os Institutos Nacionais de Saúde gastarão US$ 40 milhões, a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada (DARPA) do Departamento de Defesa repassará outros US$ 50 milhões, enquanto a Fundação Nacional de Ciências cederá outros US$ 20 milhões.

Entre os objetivos da iniciativa lançada hoje, destaca-se o auxilio aos cientistas encontrar maneiras de tratar, curar e, inclusive, prevenir doenças como o mal de Alzheimer e a epilepsia, além da reparação danos traumáticos sofridos pelo cérebro.

"Fizemos avanços científicos e tecnológicos assombrosos em apenas poucas décadas, mas ainda não desentranhamos o mistério dessas 1.300 gramas de matéria situadas entre nossas orelhas", assinalou Obama. "Há ali 100 bilhões de neurônios que fazem trilhões de conexões".

O líder já tinha anunciado sua decisão de lançar um programa de prospecção cerebral durante seu discurso sobre o Estado da União, no último dia 12 de fevereiro, quando se referia a outra iniciativa parecida: "cada dólar investido no Projeto do Genoma Humano rendeu US$ 140 em benefícios econômicos".

O Governo dos EUA investiu US$ 3,8 bilhões no Projeto do Genoma Humano ao longo de 13 anos e, de acordo com alguns analistas, os resultados gerados pela ampla pesquisa geraram aproximadamente US$ 796 bilhões em atividade econômica.

A iniciativa do BRAIN foi iniciada em uma conferência de neurocientistas em 2011 na Inglaterra, onde foi proposto um esforço de grande magnitude e coordenado para o desenvolvimento de tecnologias para o estudo da atividade do cérebro e para "medir cada faísca de cada neurônio" em um circuito neural.

O estudo das complexas estruturas neurais do cérebro poderia combinar ferramentas tradicionais, como a imagem de ressonância magnética, com tecnologias mais inovadoras, como os nanosensores e as sondas sem fios de fibra óptica implantadas no cérebro, além de células modificadas geneticamente que podem ser conectadas com células do cérebro para registrar sua atividade.

Ralph Greenspan, co-diretor do Instituto Kavli para o Cérebro e Mente na Universidade de Columbia, apontou que "o plano de mapeamento cerebral é diferente do plano do genoma, ja que essa questão se mostra muito mais complexa".

"Foi muito fácil definir qual era a meta do projeto do genoma humano. Mas, neste caso, temos uma questão mais difícil e fascinante: quais são os padrões de atividade em todo o cérebro e, em última instância, como eles funcionam", afirmou Greenspam.

Além das novas nanotecnologías, o plano mobilizará a enorme capacidade de processamento, análise e combinação de dados nos computadores, tendo em vista que, entre os participantes do planejamento, aparecem empresas como Google, Microsoft e Qualcomm.

No entanto, a iniciativa também tem seus críticos. "Uma coisa é que se atribuam fundos para a neurociência. Outra coisa termos um projeto centralizado de dez anos para 'resolver o cérebro'", escreveu em seu blog o biólogo Michael Eisen, da Universidade da Califórnia. 

Laboratório Grams Perini - Todos os direitos reservados

Fone: (51) 3653-3555